sábado, 17 de junho de 2017

Livro Novo na Praça

Olá!
Sempre digo que um  livro novo lançado é como um filho que nasce; pois gestamos a história por meses a fio, até que ela se torna realidade. Esse que saiu é meu livro de número 78, mas a emoção é sempre a mesma.
Com ilustrações de Carlos Araújo, apresento a você meu livro novo, publicado pela EDITORA MELHORAMENTOS: CAPITU E EU.
Ele faz parte da Série OS CARRAPATOSOS, que reúne os clássicos da literatura com o cotidiano de uma família. Desta vez, o autor homenageado foi Machado de Assis, com seu Dom Casmurro.
Se quiser ler uma pequena sinopse do livro, visite o meu site: www.elianahmartins.wix.com/elianamartins.
Um beijo e até mais.


quarta-feira, 26 de abril de 2017

Almanaque Primavera em Sampa

Olá, tudo bem com você?
Este mês, passei a colaborar com um almanaque virtual, o PRIMAVERA EM SAMPA, criado e administrado pela minha amiga e escritora Regina Sormani, e seu marido, o incrível ilustrador, desenhista e professor de pintura Gilberto Marchi.
A página em que estarei, todos os meses, chama-se TROVADORES.COM. Se você quiser visitar o blog e conhecer o trabalho, segue o link: 



Nos vemos lá!
 

 
 

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

Arteterapia para mães que perderam filhos

Oi, gente,

Estou aqui para falar de um assunto muito delicado: o de mães que perderam seus filhos.
A morte é algo que o ser humano em geral ainda não se adaptou a enfrentar. É sempre muito difícil, em qualquer idade e experiência. Mas perder um filho deve ser uma dor dobrada.
Assim, minha amiga e colega de letras, a escritora, ilustradora e arteterapeuta Sandra Ronca, de Niterói, decidiu criar um modo de orientar e, de alguma maneira, confortar, através da arte, essas mães que perderam seus filhos.
Segue o convite. 




Beijos e até breve!

segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

Menina de quatro anos já leu mil livros

Olá!

Espantou-se com o título do post? Mas a história é real.

Diretamente do blog do Galeno Amorim para você. Confira! 

Menina de quatro anos já leu mais de mil livros

14/01/2017
Daliyah Marie Arana tinha 2 anos e 11 meses quando leu o primeiro livro de forma independente.

Haleema Arana, a mãe, contou ao jornal “The Washington Post” que quando estava grávida de Daliyah lia, diariamente, para outras crianças e que quando a filha era bebé ouvia o irmão mais velho a ler capítulos de livros em voz alta pela casa, em Gainesville, na Geórgia, nos Estados Unidos da América.

“Ela queria ler sozinha”, afirmou a mãe ao jornal. “Quanto mais palavras aprendia mais vontade tinha de ler”, explicou.

Agora, com 4 anos, a menina já leu mais de mil livros e alguns textos do ensino superior.

A mãe contatou a Biblioteca do Congresso e perguntou se era possível usufruir de uma experiência no local com a filha. Na última quarta-feira, Daliyah concretizou o sonho de ser bibliotecária por um dia.

A menina visitou a secção de crianças da Biblioteca, leu livros para Carla Hayden, 14ª bibliotecária do Congresso norte-americano, e conheceu alguns funcionários da instituição.

No entanto, quando a equipa lhe pediu algumas recomendações, a criança sugeriu que instalassem quadros brancos nos corredores da biblioteca para que as crianças, como ela, pudessem praticar a escrita.

Carla Hayden ficou impressionada com a paixão da menina pela leitura e pela literatura e publicou algumas fotografias da visita no Twitter.

Haleema Arana revelou ao “The Washington Post” que a filha estava sempre a dizer que a Biblioteca do Congresso era a sua preferida em todo o mundo.

Daliyah tem um cartão de leitor e frequenta a biblioteca local, em Gainesville, com bastante regularidade. “Eu gosto de verificar os livros todos os dias”, revelou a menina. “Eu quero ensinar outras crianças a ler cedo também”, disse a criança ao jornal “Gainesville Times”.

A mãe teve a ideia de começar a contar o número de livros que a filha lia, através do programa “1000 livros antes do jardim-de-infância”. De acordo com Haleema, a menina, aos 3 anos, já devia ter lido mil obras.

Os pais nunca testaram o nível de leitura da filha. Contudo, a mãe, para atender ao amor da menina por livros, lançou-lhe um desafio e deu-lhe o discurso “The Pleasure of Books” (O Prazer dos Livros), de William L Phelps, considerado de grau universitário, para ler. Acontece que Daliyah leu tão bem o texto e pronunciou tão bem as palavras que a mãe publicou um vídeo da leitura no YouTube.

Daliyah pretende atingir a meta de 1500 livros até entrar, no próximo outono, no infantário e espera ajudar o professor a ensinar outras crianças a ler.

É demais, não é?! E você, também ama os livros? Que tal relacionar, durante o ano, todos os que for lendo?
Beijos e até breve.


terça-feira, 18 de outubro de 2016

PULA QUE PULA - O que será isso?

É meu livro novo que saiu; publicado pela Editorial 25 e com ilustrações em forma de teatro de bonecos, feitas pela Maira Kanashiro.
Para crianças entre 6 e 8 anos, conta a história de uma bolinha desaparecida.
Mas como, sempre que vou às escolas, os alunos perguntam como surgiu a ideia do livro, lá vai ela:
Uma tarde, eu estava brincando de jogar uma bolinha pula-pula com meu netinho Caetano. Ele jogava para o alto e eu pegava, quando ela voltava. Mas, uma bela hora, ele jogou e, por mais que eu esperasse, ela não voltou. Para onde teria ido? Daí surgiu a ideia do livro PULA QUE PULA. 
Quando você ler a história do livro, vai saber onde estava a bolinha. Mas, na brincadeira minha e do meu neto, a bolinha tinha saído pela janela, quando ele jogou, e a gente não tinha visto. Quem a encontrou, no quintal, foi minha filha Letícia, a mãe do Caetano.
Uma história diferente, como se fosse um teatrinho de bonecos. Não perca! 


sexta-feira, 15 de julho de 2016

SESI Jundiaí - SP - informa

Olhe só que oportunidade boa o SESI Jundiaí /SP está oferecendo. Mas, atenção: as inscrições se encerram no dia 5 de agosto próximo. Pra você que vai fazer o curso: BOA SORTE!



SESI-SP INSCREVE PARA CURSO GRATUITO DE EDUCAÇÃO DE JOVENS
E ADULTOS EM TODO O ESTADO

Programa foi reformulado e passa a ser totalmente a distância, com acompanhamento de tutores e diversos conteúdos interativos. Inscrições podem ser realizadas em 117 endereços da entidade até o dia 5 de agosto.             

O SESI-SP está com inscrições abertas para o projeto de Educação de Jovens e Adultos (Eja) para o Ensino Fundamental até o dia 5 de agosto. O programa, gratuito, foi totalmente reformulado e tem várias novidades.
A primeira é que fará uso de um ambiente virtual de aprendizagem, permitindo que o estudante acesse o curso por meio de qualquer computador. Dessa forma, o estudante poderá participar de atividades colaborativas, ler as orientações, verificar o quadro de avisos do curso, tirar dúvidas com os tutores, trocar mensagens e baixar arquivos de texto. Também é possível ler o material por meio de dispositivos móveis, como celulares e tablets.
A segunda novidade é que os participantes serão acompanhados por tutores de Educação a Distância por área de conhecimento – Linguagens, Ciências Humanas, Ciências da Natureza e Matemática. As únicas etapas presenciais do programa serão as provas processuais.
As inscrições são semestrais e serão realizadas em 117 endereços distribuídos em todo o estado. O endereço das escolas está disponível no site www.sesisp.org.br.
A Educação de Jovens e Adultos é voltada a atender o público que não conseguiu concluir seus estudos na época apropriada, mas deseja recuperar o tempo perdido e continuar estudando. No Ensino Fundamental a grade total tem 1.600 horas, o equivalente a 24 meses, e o pré-requisito para se matricular é ter 15 anos completos na data da matrícula. O aluno poderá aproveitar os estudos anteriores (do 6º ao 9º ano, se comprovados pelo Histórico Escolar) e concluir o curso em tempo inferior ao previsto, mas o tempo mínimo de duração é de 6 meses.

     
Assessoria de Imprensa SESI-SP e SENAI-SP / FIESP
Jornalistas: Rosângela Gallardo (MTb. 23.025); Alex de Souza (MTb 57.880)
Outros contatos:
Telefone: (11) 3146-7702 / 7706 / 7724

terça-feira, 31 de maio de 2016

PROFESSOR NATO

Olá! 

Volto com uma reportagem que me encantou. A adolescência, uma época de dúvidas, incertezas e revoltas, por vezes nos surpreende. Veja só!

Menino de 14 anos ensina pai, avó e vizinhos a ler em zona rural de GO

G1 - 19/06/2015 - Blog do Galeno Amorim.
Quando terminam as aulas do estudante Janiel Vieira, de 14 anos, no período da manhã, ele começa uma nova maratona no povoado de Cabeceira Alta, a 80 km de Rio Verde, no sudoeste de Goiás. Após adquirir aprendizados na escola, ele usa o período da tarde para repassar o que sabe aos outros. Foi desta forma que ele alfabetizou o pai, a avó e alguns vizinhos da comunidade rural onde vive.
O adolescente, que sonha se formar em pedagogia, improvisou um espaço no fundo do quintal de casa e criou sua própria sala de aula. Com livros doados pela escola onde estuda, ele ensina um grupo a ler e escrever. "No momento em que estou ensinando, também estou aprendendo. Vou levar isso para o resto da minha vida", diz o menino.
Além da leitura, o pai de Janiel, o trabalhador rural Jerônimo Vieira, também aprendeu matemática com o filho. "A divisão eu aprendi com ele. Não sabia nada e com ele eu aprendi muito", diz, orgulhoso.
Já a aposentada Claudina Cabral, avó de Janiel, teve o privilégio de receber aulas particulares. Com livros emprestados e usando as paredes de placa como quadro negro, ela aprendeu a ler. "Depois que ele começou a me dar aula, eu melhorei muito. Fico muito entretida com as aulas dele", conta.
Monitor
O estudante ainda concilia as aulas na comunidade com o cargo de monitor para alunos menores na escola. Uma das atividades que ele mais gosta é o cantinho de leitura, onde mostra às crianças que é possível viajar mesmo sem sair de onde está.
"Ele ajuda a gente a aprender algumas palavras que a gente ainda não sabe. É uma coisa diferente, onde a gente nunca foi e pode ir ao mundo da leitura", diz Adriele Cabral, de 8 anos.
Professor de Janiel, Renato Prado não mede elogios ao falar do garoto e conta que vai tentar ajudá-lo em seu maior desejo. "Ele tem o sonho de fazer pedagogia e voltar para Cabeceira Alta como professor. Nós vamos abrir todas as portas e incentivá-lo sempre que possível", diz.